Pular para o conteúdo
 Facebook  Flickr  Issuu  YouTube  Instagram  Newsletter - Juntos Fazemos Vila Verde

             

 

 

 

Notícias Notícias

Voltar

Município de Vila Verde associou-se ao CIAB para assinalar o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor, 15 de março

CELEBREMOS TODOS O 15 DE MARÇO - DIA MUNDIAL DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR

No dia 15 de março comemora-se o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor

Município de Vila Verde associou-se ao CIAB para assinalar o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor

O CIAB - Tribunal Arbitral de Consumo, que nasceu justamente no dia 15 de março (mas de 1997), tem vindo a contribuir no nosso concelho e em toda a nossa região para a tutela dos direitos e interesses dos consumidores e associa-se de forma ativa a diversos eventos que um pouco por todo o lado celebram esta data.

Caso pretenda saber mais sobre este assunto, contacte o CIAB-Tribunal Arbitral de Consumo: em Braga, na R. D. Afonso Henriques, n.º 1 (Ed. da Junta de Freguesia da Sé) 4700-030 BRAGA * telefone: 253 617 604 * correio eletrónico: geral@ciab.pt ou em Viana do Castelo: Av. Rocha Páris, n.º 103 (Villa Rosa) 4900-394 VIANA DO CASTELO * telefone 258 809 335 * correio eletrónico: ciab.viana@cm-viana-castelo.pt ou ainda diretamente numa das Câmaras Municipais da sua área de abrangência ou em www.ciab.pt.

No próximo dia 20 de março em Ponte de Lima o CIAB vai apresentar do Relatório de Atividades e Contas de 2018, perante as entidades responsáveis do Centro de Arbitragem, onde se salientam as associações empresariais e de consumidores, os municípios abrangidos, instituições de ensino superior, o Ministério da Justiça (via Direção-Geral da Política de Justiça) e o Ministério da Economia (via Direção-Geral do Consumidor).

 

HISTÓRIA DO DIA MUNDIAL DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR

A mensagem que o Presidente norte-americano John Kennedy proferiu perante o Congresso em 15 de março de 1962 constitui certamente a data que marca o advento da problematização da sociedade de consumo que se estava a formar nos E.U.A e que se estendeu de seguida à Europa e à Ásia, bem como da necessidade de informar e proteger o consumidor perante o lançamento constante de bens e serviços que passaram a ser produzidos e consumidos à escala global.

Quando Kennedy referiu que “consumidores, por definição, somos todos nós” deu nota de uma nova dimensão e roupagem adquirida pelo vulgar cidadão, que também é consumidor, a par de outras dimensões que já possuia, como seja, trabalhador (a), marido/mulher, pai/mãe, municípe, viajante, eleitor, etc cada uma das quais envolve um estatuto e um conjunto de direitos e deveres próprios e específicos desse estatuto.

Foi também nessa declaração que foram enunciados os quatro direitos fundamentais do consumidor: o direito à informação; o direito à segurança; o direito a ser ouvido e o direito de escolha.

A partir daí foi percorrido um longo caminho, durante o qual foram percetíveis as situações de insegurança, de risco e de violação dos direitos dos consumidores, mas que também contou, por outro lado, com a afirmação de mais direitos dos consumidores (o direito à proteção dos interesses económicos, o direito a indemnização pelos danos patrimoniais e não patrimoniais, o direito a uma justiça célere e pronta, por exemplo), os quais progressivamente se foram também tornando mais informados, mais exigentes e mais conscientes.

A União Europeia tem constituído nesta matéria um importante baluarte de afirmação e proteção dos consumidores e o nosso país é, neste âmbito, à escala mundial, um dos mais avançados, seja pela publicação de leis de proteção dos consumidores, seja pela criação de estruturas e instituições que defendem os consumidores.

De facto, na senda de um mestre europeu nesta matéria, o Professor Jean Calais-Auloy, que afirmou que “não basta fazer leis para proteger os consumidores. É preciso dar aos consumidores os meios para fazer respeitar os seus direitos. Se esses meios não existirem, o Direito do Consumo é uma matéria teórica, sem conteúdo prático”, temos todos o dever cívico de conservar e manter o que já foi conquistado para bem dos consumidores.

Município de Vila Verde, 15.3.2019

 


Bem-vindo Bem-vindo

A Internet é o principal veículo de comunicação de que as pessoas se servem, no seu dia-a-dia, em todo o mundo, tanto na sua vida pessoal como no desempenho da atividade profissional. Todas as organizações modernas têm nos seus sites uma janela aberta ao mundo e uma plataforma de comunicação e de interação com o seu público-alvo. Estaremos sempre abertos à inovação e recetivos a sugestões que nos ajudem a continuar a construir um Concelho próspero onde todos gostem de viver e se realizem profissionalmente.            

 

                     Vila Verde Incentiva +

FICHA TÉCNICA

Conceção geral, design gráfico e execução técnica
Unidade de Inovação e Conhecimento, Unidade de Sistemas de Informação

Edição e manutenção
Serviços do Município de Vila Verde

 Agradece-se a comunicação de qualquer anomalia técnica ou outro tipo de dificuldade relacionada com a utilização do site. Para o efeito, envie email para helpdesk@cm-vilaverde.pt.
Este projeto foi cofinanciado pelo projeto Cávado Digital MAIS (POVT)

PROTEÇÃO DE DADOS

Apenas deve fornecer os dados pessoais necessários para a prestação do serviço solicitado, nomeadamente para ser capaz de aceder a qualquer um dos serviços no sítio que possuam gestão de processos especificos dependentes do utilizador.
Estes dados serão incorporados nos arquivos correspondentes no Município de Vila Verde e serão tratados em conformidade com o regulamento estabelecido por lei.
Os dados recolhidos apenas serão objeto de transferência, sempre que apropriado, com o consentimento da pessoa em questão ou em conformidade com a referida legislação de protecção de dados.
As pessoas cujos dados pessoais, contidos nos ficheiros do Município de Vila Verde, podem exercer os seus direitos de acesso, rectificação, cancelamento e oposição, na forma prevista pela lei, antes do envio para o arquivo .
Consulte Política de Privacidade do Município.

AVISO LEGAL

O Município de Vila Verde, através de seu portal na Web fornece informações de interesse geral do concelho de Vila Verde, em especial, a informação e os esforços da organização municipal. A informação fornecida é atual no momento da sua publicação.
O Município de Vila Verde pretende que esta informação seja exata e precisa e procede à sua atualização com a maior frequência possível, tentando evitar erros e corrigi-los, assim que os deteta. No entanto, o Município de Vila Verde não pode garantir a ausência de erros ou que o conteúdo da informação seja permanentemente atualizado.
O Município de Vila Verde pode levar a cabo a qualquer momento e sem aviso prévio, modificações, supressões ou alterações das informações publicadas ou ser capaz de alterar a configuração ou a apresentação.
O acesso ao portal da Web, bem como a utilização das informações que ele contém, são da exclusiva responsabilidade do utilizador. O Município de Vila Verde não é responsável por quaisquer danos que possam decorrer destes factos, nem pode garantir que o acesso não seja interrompido, ou que o conteúdo ou software acedido esteja livre de erros ou causa de dano.
As informações prestadas em resposta a qualquer pergunta ou pedido de informação são meramente indicativas e em nenhum caso será vinculativa para a resolução de procedimentos administrativos, que são estritamente sujeitos às normas legais ou regulamentares que sejam aplicáveis.
Os conteúdos publicados incluem links para páginas de terceiros, web sites, principalmente de outras entidades públicas, que são considerados como podendo ser de interesse para os utilizadores do Portal. O Município de Vila Verde não assume qualquer responsabilidade derivada das ligações ou do conteúdo desses links.